79% dos pais acham publicidade de fast food imprópria
Pesquisa encomendada pela ONG Instituto Alana (Brasil) mostra preocupação com anúncios de produtos alimentícios considerados não saudáveis, ou seja, com excesso de gordura, sódio ou açúcar; estudos americanos ligam obesidade à exposição à publicidade.

Quase 80% dos pais de crianças de até 11 anos acreditam que a publicidade de fast food e outros "alimentos não saudáveis" prejudica os hábitos alimentares de seus filhos. Os resultados são de pesquisa do Instituto Datafolha feita com 596 pessoas de todo o Brasil.

Os entrevistados também afirmam que esse tipo de propaganda dificulta os esforços para ensinar os filhos a ter uma alimentação saudável (76%) e leva as crianças a amolar os pais para que comprem os produtos anunciados (78%).

O levantamento foi encomendado pelo Instituto Alana, ONG que luta pela regulamentação da publicidade dirigida à criança. Isabela Henriques, coordenadora do projeto Criança e Consumo, explica que foram considerados como "alimentos não saudáveis" aqueles com alto teor de gordura, sódio ou açúcar.

"Estamos vivendo uma epidemia de obesidade e existe um esforço da sociedade para ensinar as crianças a se alimentarem melhor", afirma Isabela. Mas a indústria de alimentos, diz ela, vai na contra mão ao estimular as crianças a consumir produtos ricos em calorias e pobres em nutrientes. "A pesquisa mostra que os pais estão pedindo ajuda. Sozinhos, não conseguem parar esse bombardeio."

bolachas

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) discute desde 2006 a regulamentação da publicidade de alimentos não saudáveis. No ano passado, a agência publicou uma resolução determinando que esse tipo de propaganda fosse acompanhado de alertas para possíveis riscos à saúde, no caso de consumo excessivo. Mas essa regra foi suspensa graças a uma liminar concedida pela Justiça Federal em favor da Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (Abia).

O presidente da Abia, Edmundo Klotz, afirma que "discutir a publicidade de alimentos é uma coisa do passado". A indústria, diz ele, está trabalhando para deixar seus produtos mais saudáveis em vez de discutir teorias. "Praticamente eliminamos a gordura trans. Agora estamos reduzindo o teor de sódio. Até 2020, devemos atingir um ideal de "saudabilidade"", diz. Mas Klotz não comenta como deveria ser publicidade de alimentos até que esse "ideal" seja atingido.

Carlos Monteiro, da Faculdade de Saúde Pública da USP, explica que "por mais que você substitua a gordura trans de uma barra de cereal por gordura saturada, ela ainda terá grande densidade energética". O pior, continua, é que as pessoas acabam substituindo uma fruta por esse tipo de industrializado supostamente saudável.

cereais

Evidências. Em 2005, o Instituto de Medicina dos Estados Unidos revisou 123 estudos que investigavam a ligação do marketing com as preferências alimentares das crianças. A conclusão foi de que "a ideia de que algumas formas de marketing aumentam o risco de obesidade não pode ser descartada".

Em 2009, pesquisadores da Universidade Yale fizeram uma experiência para avaliar o impacto da publicidade de alimentos na TV sobre crianças em idade escolar. Lanches foram oferecidos a dois grupos de estudantes enquanto eles assistiam a desenhos animados. Os pesquisadores verificaram que no grupo exposto à publicidade de alimento, o consumo de lanches foi 45% maior. O estudo foi publicado na revista da American Psychological Association.

No fim de abril, durante evento da Organização Mundial de Saúde (OMS) para debater doenças crónicas não transmissíveis, a diretora geral organização, Margaret Chan, ressaltou que milhões de mortes causadas por esses problemas podem ser facilmente prevenidas com políticas públicas amplas e contundentes. O que inclui a regulação de questões cujo impacto é extremamente negativo, como é o caso da publicidade de alimentos ultraprocessados e não saudáveis para crianças e adolescentes.

“Aqui está uma pergunta que eu gostaria de fazer para as indústrias de alimentos e bebidas. Será realmente que produzir, comercializar, divulgar publicidade de forma agressiva, especialmente para as crianças, de produtos que prejudicam a saúde dos seus clientes é um bom negócio?”, questionou Margaret Chan.

hambúrgueres, batatas fritas e refrigerantes

Empresas não cumprem pacto

Em agosto de 2009, as 24 maiores empresas do setor alimentício firmaram um compromisso público para limitar a publicidade dirigida às crianças. Elas deveriam detalhar, até o fim daquele ano, de que forma colocariam a ideia em prática.

Mas, segundo levantamento do Instituto Alana, até dezembro de 2010 apenas 12 das 24 empresas envolvidas no acordo haviam detalhado seu compromisso no site. Destas, apenas 8 possuíam a descrição dos critérios nutricionais que serviriam de base para determinar o que poderia ser considerado um alimento saudável ou não saudável.

No mundo

O governo dos Estados Unidos, país ícone do junk food, lançou recentemente uma série de diretrizes para restringir a publicidade de alimentos não saudáveis direcionada ao público infantil. Estabelecidas pelo FTC (Federal Trade Commission) e mais três órgãos do governo americano, as normas mandam um recado claro para a indústria alimentícia: façam produtos mais saudáveis ou deixem de anunciá-los para crianças.

A preocupação se estende para a Europa. Inglaterra e França, por exemplo, possuem regras claras para publicidade de alimentos com alto teor de açúcar, gorduras e sódio – o primeiro país proíbe veiculação de comerciais em programas dirigidos para crianças e adolescentes de até 16 anos; a França veicula avisos com mensagens de atitudes saudáveis depois das publicidades desse tipo de alimento.

Fonte Estadão 30-05-2011

 

Comentários:

Esta página usa cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar está a consentir a sua utilização.