Bolinho de bacalhau árabe e indigesto
O Habib’s, empresa de alimentação que dispensa apresentações, lançou mais uma linha de produtos típicos de Portugal, como bolinho de bacalhau, pastel de Belém e etc. A propaganda destes produtos vem sendo alvo de críticas de vários portugueses que se sentem ofendidos.

Panfletos distribuídos nas lojas da empresa em todo país contêm frases do tipo: “Como se chama um homem inteligente em Portugal? Turista”, “Qual é o único português que serve para alguma coisa? O Manuel de instruções” e por aí vai. No final de tudo, lê-se o seguinte: “As piadas são uma homenagem. Afinal, o dono do Habib’s também é português”.

Bolinho de bacalhau árabe e indigesto O Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo afirmou que recebeu pelo menos dez denúncias de pessoas que se sentiram ofendidas pela propaganda. “Trata-se de discriminação contra o consumidor”, disse o presidente, José Geraldo Tardin. Ele afirmou que entrou com representação no Conar (conselho de autorregulamentação publicitária).

Alguns podem achar um exagero considerar piadas do tipo como preconceito. Porém, imaginem que um português, ou até um descendente, entre em uma loja do Habib’s e se depare com tais folhetos, lendo tais piadas. Imagine ainda este português, com sotaque natural, fazendo seus pedidos na loja. Se nos colocarmos no lugar dos portugueses frequentando o estabelecimento, percebemos que é sim preconceito, que há quem sofra com estas “piadas”. E isso não é difícil de acontecer, só em São Paulo estima-se que há mais de 1 milhão de portugueses e filhos de lusos. Se fossem piadas contra negros, homossexuais, ou até judeus, será que o assunto seria tratado como natural? É tão diferente assim?

Outro absurdo está na explicação de que eles se acham no direito de fazer “piadas” com portugueses por terem no comando de sua empresa um português. Então quer dizer que um negro pode discriminar outro negro? Tais piadas, ou melhor, a divulgação das mesmas tentando torná-las naturais, apenas faz com que o preconceito seja reforçado e tratado como algo corriqueiro, não sendo encarado como preconceito propriamente dito. Ou seja, é algo perigoso.

http://pensamentos2010.wordpress.com

17-07-2011
{hwdvs-player}id=995|height=262|width=350{/hwdvs-player} {hwdvs-player}id=994|height=262|width=350{/hwdvs-player} {hwdvs-player}id=993|height=262|width=350{/hwdvs-player}

 

Comentários:

Esta página usa cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar está a consentir a sua utilização.