Dilma reforça visão do Brasil como potência alimentar
A presidenta Dilma Rousseff afirmou, nesta sexta-feira, em discurso na 34ª Expointer, em Esteio (RS), que o Brasil deve continuar a ser uma potência alimentar como forma de responder à crise financeira internacional. A presidenta tratou da questão apresentando um cenário da economia mundial e a favorável situação do País, nos dias atuais, para fazer frente às demandas em função de eventual problema económico.

“Quero dizer que o Brasil tem os instrumentos para isso. Essa crise é continuidade daquela de 2008. Nós fomos o primeiro a sair da crise e o último a entrar nela. A diferença do Brasil está no fato de que nós não temos as mesmas consequências que os países desenvolvidos tiveram”. Dilma Rousseff lembrou que o País possui reservas cambiais da ordem de US$ 350 biliões e depósitos compulsórios que chegam a R$ 420 biliões. “Qualquer problema de crédito nós temos condições de enfrentar”, disse.

A presidenta Dilma explicou também que o governo pretende enfrentar a crise com investimentos, incentivando a criação de empresas e reduzindo impostos. “Essa crise é uma crise que tem de reforçar o nosso papel como potência agrícola e pecuária do mundo. Temos terra fértil, água potável… Somos sem dúvida uma potência agropecuária”, frisou.

Ela iniciou o discurso dizendo que estava muito contente em poder participar da 34ª Expointer e destacou também a importância da exposição pelo número de expositores (3 mil participantes), o volume de negócios estimados (R$ 850 milhões) e o público participante (de cerca de 560 mil pessoas). A presidenta afirmou que estes dados representam a grandiosidade e espelham a capacidade do Rio Grande do Sul no agronegócio. A presidenta disse ainda que o sucesso é fruto “do trabalho, esforço e garra” da cadeia produtiva.

“Uma cadeia de sucesso, a que nós chegamos graças ao trabalho, esforço e garra. Chegamos aqui graças também às políticas do governo federal que se tornaram cada vez mais consistentes. Não posso deixar de ressaltar algumas medidas do Plano Safra 2011/2012. Nós, de fato, estamos colocando nada menos que R$ 107 biliões na forma de crédito à disposição da agropecuária. Estamos colocando R$ 16 biliões no Plano Safra da Agricultura Familiar 2011/2012”, afirmou.

A presidenta destacou ainda a importância de se produzir de maneira sustentável. “O mundo só vai nos respeitar plenamente se mostrarmos que somos capazes de produzir sem prejudicar o meio ambiente e mais, se soubermos recuperar áreas ambientalmente degradadas e utilizar técnicas que compatibilizem o meio ambiente e o aumento da produtividade”.

Fonte jornalagora 02-09-2011

 

Comentários:

Esta página usa cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar está a consentir a sua utilização.