Vacina experimental contra causador de intoxicação em cruzeiros é promissora
O governo da França reiterou esta semana o pedido para que a Comissão Europeia suspenda a autorização do plantio do milho transgénico MON 810, da Monsanto.

O Ministério do Meio Ambiente baseou a nova solicitação em estudos que mostram a contaminação das lavouras cultivadas com variedades tradicionais.

A França apontou ainda que vai manter a proibição local ao plantio da única variedade de milho geneticamente modificado autorizada na União Europeia.

O país mantém desde 2007 postura contrária ao produto da norte-americana Monsanto por considerar que ele implica em contaminação dos plantios tradicionais e do pólen usado na produção de mel, outro produto importante para o país.

A postura francesa é alvo de irritação dos diplomatas dos Estados Unidos, como revelaram em 2010 telegramas filtrados pelo projeto Wikileaks.

Durante o governo de George W. Bush, embaixadores chegaram a sugerir uma retaliação “ao estilo militar” como forma de punir economicamente a União Europeia e fortalecer as vozes a favor da biotecnologia, isolando a França e os pesquisadores contrários às alterações genéticas, que veem no uso da transgenia danos à saúde e ao meio ambiente.

O governo da nação europeia vale-se do “princípio da precaução”, uma norma presente na constituição de vários países assegurando que nenhum Estado tem o poder de expor seus cidadãos a substâncias sobre as quais pesem dúvidas quanto aos riscos que acarretam.

O caso do MON 810 levou a uma discussão para permitir aos países da União Europeia imporem, individualmente, barreiras ao plantio de transgénicos.

A França e outras nações, porém, anseiam por uma proibição continental para evitar que a contaminação por meio da fertilização cruzada leve à inocuidade dos vetos locais.

Fonte Correio do Brasil 22-02-2012

 

Comentários:

Esta página usa cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar está a consentir a sua utilização.