União Europeia propõe liberalização do comércio de produtos alimentares com Marrocos
A Comissão Europeia propôs ontem um acordo de livre comércio entre a União Europeia (UE) e Marrocos para produtos dos sectores agro-alimentar e pescas. O objectivo é reforçar a posição dos exportadores europeus no mercado marroquino.

Em causa está o interesse da UE em reforçar as trocas comerciais de produtos dos sectores agrícolas, conservas alimentares e pescas. No prazo de dez anos está prevista a liberalização total de alguns produtos, com a excepção das massas alimentares, que ficarão restritas a limitações quantitativas.

No caso dos produtos agrícolas, o acordo prevê a liberalização imediata de 45 por cento do valor das exportações do comércio da UE e 70 por cento nos próximos dez anos. Nas conservas alimentares, os produtos lácteos, oleaginosos e frutas e ainda produtos hortícolas beneficiarão da liberalização total e imediata. Nas pescas está prevista a liberalização a 91 por cento nos próximos cinco anos e a totalidade no prazo de dez anos.

No que se refere à União Europeia, o acordo visa a liberalização imediata de 55 por cento das importações provenientes de Marrocos. O acordo aguarda agora aprovação por parte do Conselho da União Europeia e do Parlamento Europeu.

Entre 2007 e 2009, o comércio deste tipo de produtos beneficiou a UE em cerca de 1,03 mil milhões de euros, pelo que interessa aos 27 países ter um melhor acesso a este mercado, actualmente em forte crescimento demográfico.

No total do comércio realizado durante este período, a União Europeia foi quem mais beneficiou, com as exportações a atingirem os 12,3 mil milhões de euros e as importações os 7,3 mil milhões.

Fonte Publico 17-09-2010

 

Comentários:

Esta página usa cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar está a consentir a sua utilização.