Parceiros desenvolvem programa para melhorar segurança alimentar
A parceria entre o governo provincial de Luanda, a FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) e a Cooperação Espanhola garantiu terça-feira a realização do Programa Integrado de Desenvolvimento da Agricultura nas zonas urbanas e peri-urbanas de Luanda.

Este Programa tem por fim melhorar a segurança e educação nutricional de cerca de mil famílias.

O anúncio foi feito pelo representante da FAO em Angola, Mamoudou Diallo, no workshop sobre "Horticultura urbana e peri-urbana". O programa, que incluiu um projecto de desenvolvimento rural e de combate à pobreza, pretende fortalecer a capacidade económica das famílias dos meios urbanos e peri-urbanos em cada município da capital do país.

O representante da FAO em Angola disse que o projecto visa ainda melhorar a prática da reciclagem produtiva e de resíduos sólidos orgânicos e inorgânicos na capital. "Vamos realizar um acompanhamento das comunidades até ao início da etapa de comercialização dos excedentes da produção, gerando receitas que permitam às famílias comprar outros alimentos", reforçou o representante da FAO.

Mamoudou Diallo explicou que a metodologia aplicada pelo projecto é participativa, convertendo cada beneficiário num potencial multiplicador da experiência entre os seus familiares. A componente da agricultura urbana do projecto é financiada pela Cooperação Espanhola e assessorada pela FAO.

Mamoudou Diallo lembrou que os beneficiários da formação em agricultura urbana e peri-urbana realizada pela FAO noutros países conseguiram fazer uma poupança diária em média por lar de 1,65 dólares. "Alcançámos este valor graças à produção de mais de 30 hortaliças nas hortas caseiras e centros demonstrativos e de capacitação do projecto", acentuou. Na sua óptica, em Angola, devido ao elevado preço dos produtos hortícolas, o benefício económico aponta para quatro ou cinco dólares. O representante da FAO em Angola recordou que o programa da horticultura urbana e peri-urbana já foi aplicado em mais de 20 países da América Latina, da região das Caraíbas e de África, contribuindo para o acesso aos alimentos e melhoria da segurança alimentar.

O Executivo disponibilizou cerca de oito milhões de dólares para 40 famílias camponesas de Luanda desenvolverem a produção de hortícolas e frutas, anunciou o vice-governador para o sector económico, Manuel Catraio.

O vice-governador dise que Luanda possui um universo de 32.219 famílias camponesas.

Fonte Jornal de Angola 24-03-2011

 

Comentários:

Esta página usa cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar está a consentir a sua utilização.