China reforça supervisão de segurança alimentar
A segurança alimentar está diretamente ligada à saúde do povo. Notícias negativas sobre alimentos em algumas regiões da China divulgadas recentemente, têm chamado a atenção da população para o assunto. Por isso, todo o país reforça o controle da segurança alimentar, para garantir a oferta de legumes e outros alimentos.

Devido à influência das notícias negativas sobre alimentos, o movimento em restaurantes de Guangzhou, no Sul da China, foi afetado. O setor de alimentação de Guangzhou está cooperando com a Administração Nacional de Alimentos e Drogas, para elaborar um sistema de fiscalização de segurança alimentar e melhorar o sistema de punição, a fim de obrigar as empresas a colocar a segurança alimentar em primeiro lugar.

China reforça supervisão de segurança alimentar

O secretário-geral da Associação Comercial do Setor de Alimentos de Guangzhou, Ni Hong, disse,

"Primeiro, reforçar o treinamento sobre a segurança alimentar nas empresas. Segundo, cada empresa deve eleger um responsável como o supervisor. Todos os alimentos importados têm que ser certificados pelo padrão de qualidade, a distribuição também têm que ser certificada. A informação sobre a distribuição e as fontes de origem dos alimentos têm que ser claras."

O mercado de administração de produção alimentar da Província Guangdong é composto principalmente de pequenas e dispersas empresas. E os administradores têm pouca compreensão legal. Recentemente, o governo local criou regulamentos sobre a administração de pequenas oficinas de transformação de alimentos e vendedores privados. Paralelo a isso, a Província de Guangdong quer aumentar a inspeção, visando construir uma rede de supervisão do risco e da segurança alimentar, que cobre províncias, cidades e até a capital do distrito.

Dalian, uma cidade litorânea no nordeste da China, decidiu criar este ano cinco "Ruas modelo de segurança alimentar". A rua para pedestres do Shopping Dalian é a primeira rua de segurança alimentar.

O repórter da CRI enviado à cidade, percebeu no supermercado de Dashang em Dalian, que todos os legumes são embalados com saco plásticos, os frios são postos em recipientes refrigerados e os funcionários fazem dez tipos de exames nos alimentos, três vezes por dia, incluindo testes de resíduos de pesticidas em legumes, data de produção dos frios, condição sanitária da loja e canal de importação de produtos. A vice-gerente do supermercado de Dashang, Liu Jie, disse,

"Vamos diretamente às lojas para fazer testes, incluindo de higiene dos materiais e do local. As lojas que não cumprirem os requisitos, serão punidas rigorosamente, até corrigi-los."

Dalian ainda construiu os padrões para a criação de ruas modelo. Nenhum grande acidente de segurança alimentar é registado há dois anos consecutivos nessas ruas. Os restaurantes locais têm que possuir certificação. Todos os sistemas de segurança alimentar e todas as informações de supervisão sanitária têm de receber fiscalização. O índice de satisfação da população tem de superar 80%. O diretor do gabinete de Proteção de Vendas da Administração da Indústria e Comércio do Bairro Zhongshan de Dalian, Wang Bin disse,

"Uma vez por semana, examinamos os livros contábeis de importação e venda, e certificação e fatura."

Chongqing, no oeste da China, já iniciou no mês passado um ato de "Renovação de segurança alimentar", que dura três meses. O ato visa fiscalizar a segurança de qualidade de produção agrícola, fabricação, serviço de restauração e importação e exportação de alimentos, a fim de garantir a segurança desde o campo até a mesa.

A Procuradoria Suprema Popular da China pediu às procuradorias de diferentes níveis a execução da Emenda do Código Penal, aprovada desde primeiro de maio.

Fonte CRI 04-05-2011

 

Comentários:

Esta página usa cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar está a consentir a sua utilização.