Especialistas britânicos confirmam que descendentes de animais clonados não são novos alimentos
No Reino Unido, entre Janeiro e Fevereiro, a Agência Britânica de Segurança dos Alimentos confirmou que os descendentes de animais clonados não devem ser considerados novos alimentos.

Até finais de 2010, a Agência Britânica de Segurança Alimentar (FSA, sigla em inglês), defendeu que os alimentos procedentes de animais clonados, assim como os seus descendentes, deviam estar sujeitos a uma autorização como novo alimento “novel food”. Mas, em Dezembro passado, a agência mudou de ideias e decidiu adoptar a mesma posição da Comissão Europeia (CE), ou seja, que a carne e leite provenientes de descendentes de bovinos ou porcos clonados, sobre os quais existe informação, não necessitam de aprovação ao abrigo do regulamento de novos alimentos, para os quais, procedentes directamente de animais clonados, se exigia uma autorização para a sua comercialização.

O resultado da consulta pública veio confirmar a mudança de opinião da FSA. O Regulamento (CE) 258/97 sobre novos alimentos é de aplicação aos alimentos e ingredientes alimentares que não foram consumidos de forma significativa na União Europeia (UE) antes de 1997, excluindo os obtidos por práticas tradicionais de propagação, reprodução e com um historial considerado seguro.

Fonte Agrodigital 16-05-2011

 

Comentários:

Esta página usa cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar está a consentir a sua utilização.